segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Gino, um herói antigo

Há muito muito tempo atrás, Gino era o primeiro da família a acordar. Os seus pais ainda dormiam ao fundo da gruta, tapados com uma pele muito quente, que receberam de herança de um caçador que morreu num combate. Parece que ele nem tinha frio. Bastava uma pequena pele que mal lhe tapava a barriga. Passada uma hora, lá vinha o Gino sorridente com os frutos mais frescos da região. Todos o invejavam pela sua valentia e prontidão.

O pai de Gino levantava-se, jáo Sol ia bem alto, altura em que sua esposa lhe dizia: - Ó Ginão, homem de Deus, vai buscar o naco do veado, que eu vou fazendo as brasas, enquanto houver lenha,...

Um pouco contrariado, lá ia o pai arrastando os pés, que mal podiam com ele. A mãe às vezes agradecia por o filho se parecer com o pai, apenas no rosto.
Gino começava a olhar o assado com um grande apetite. Comia até o pai lhe dizer: - Ó rapaz, amanhã também é dia!...

Gino não dava muita importância à conversa, pois o sustento, era com ele... Mal mastigava o último pedaço, Gino subia a montanha à procura de frutos silvestres e de raízes. De vez em quando, lá ia ele com a sua lança bem agarrada, para que não a pudesse perder. Ao fim de uma longa tarde, regressava com um gamo às costas. Era sempre uma festa!...

Em alturas de lua cheia, Gino ia também fazer as suas pinturas nas rochas da gruta. Toda a família olhava encantada para aquelas imagens de animais. Até pareciam verdadeiras!...
Gino era afinal um grande Herói dos tempos que já lá vão, há muitos milhões de anos.


Imagem da Gruta de Altamira, (10000 a 15000 a. C.) 
João Carvalho / Ricardo Couto - 5º B - EB 2, 3 da Lourosa -  Ano Letivo 2008/2009 

Sem comentários:

Enviar um comentário